21 de julho de 2016



Você sabe o que realmente é a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS)? Não?
Aproveito, então, para trazer algumas curiosidades em forma de tópicos sobre o assunto. Assim, você conseguirá entender e tirar suas dúvidas, quanto a complexidade, os trabalhos e projetos realizados na Rede Municipal de Ensino em Tremembé.

 - Primeiramente, precisamos entender a LIBRAS como uma língua e não como uma linguagem, ou seja, ela possui uma estrutura gramatical própria;

- A língua brasileira de sinais é a forma gestual de comunicação usada pela maioria dos surdos;

- LIBRAS é a segunda língua oficial do Brasil, conforme a LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL  DE 2002;

- Outra curiosidade é que: Os sinais têm diferentes significados, variando de região para região; e

- Todos os alfabetizados em português que também falam LIBRAS, são considerados bilíngues.

É claro, que as explicações vão muito além disso, pois, ela está sempre se inovando, com novos sinais e expressões. Pensando em todas as dificuldades na alfabetização dos alunos surdos da rede, foi criado um projeto, por iniciativa da Daniela Renó, coordenadora técnico pedagógica, na Secretaria Municipal de Educação (SME), juntamente com Michelle Moreira, coordenadora do fundamental I da EMEF Profª Maria Dulce David de Paiva. O Projeto Escola Bilíngue, tem como objetivo unir todos os alunos surdos do município em um só lugar, tornando a Escola Maria Dulce, a unidade polo do projeto, pois a mesma atende estudantes de 1º a 9º ano do ensino fundamental.

O projeto tem como intuito promover a comunicação, a interação, o desenvolvimento e a relação sociocultural dos surdos. Para Michelle, a Escola Bilíngue trouxe aos alunos ouvintes a oportunidade de entender e respeitar outra língua e uma nova forma de inclusão entre eles. “Antigamente a Libras para os alunos ouvintes, era algo totalmente novo, mas, hoje em dia já é tudo muito natural”. Comenta Michelle.
O programa atende também toda a comunidade escolar, por meio do curso de LIBRAS oferecido para as famílias, professores e funcionários da instituição. Com duração de um ano letivo, ele acontece todas as segundas-feiras das 18:30h às 21:30h na EMEF Profª Maria Dulce David de Paiva, que fica localizada à rua Iraí, 100 – Pq. Das Fontes. Ministrado pela Coordenadora Michelle (pós-graduada em LIBRAS), que conta com o auxilio do ex-aluno Dener Willian Guilherme Leite. O estudante que hoje cursa o Ensino Médio é surdo e voluntariamente participa todas as semanas das aulas, dando apoio aos alunos. O curso está em andamento, é gratuito e os alunos recebem ao final um certificado cedido pela SME.

Mesmo com todos os trabalhos realizados e dedicados em prol de uma melhor alfabetização dos surdos, Michelle conta que ainda estão caminhando para a concretização do projeto e, que seu maior sonho é ver a escola 100% bilíngue.


Por Edmilson Oliveira





                                     IMAGENS DO CURSO DE LIBRAS




Postado em quinta-feira, julho 21, 2016 por emef Maria Dulce

Comentários

11 de julho de 2016



A Olimpíada de Tabuada 2016 organizada pela Secretaria Municipal de Educação (SME) e por uma equipe técnica teve finalista e ganhador da EMEF Maria Dulce David de Paiva. Ao todo, foram quatro alunos participantes, sendo um em cada categoria, as quais foram definidas como Categoria A (3º Ano), Categoria B (4º e 5º Ano), Categoria C (6º e 7º Ano) e Categoria D (8º e 9º Ano).

Nosso aluno destaque foi o Ruan de Macedo Padilha da Silva (6º C), 1º LUGAR da categoria C. Tudo isso foi possível, pelo trabalho e ajuda de toda a equipe gestora e de professores que treinaram os competidores: Lucia Helena Chagas (diretora), Vanessa Corrêa da Silva (Coordenadora Fundamental II), Michele Moreira (Coordenadora Fundamental I), Marcelo Jesus Garcia (Profº de matemática).

Os estudantes participaram de uma olimpíada escolar, como fase de seleção e de preparação. Depois de selecionados, os alunos continuaram os treinamentos junto com os professores e coordenadoras.


Parabenizamos todos os alunos que participaram de todas as fases e de todas as escolas envolvidas.  

Postado em segunda-feira, julho 11, 2016 por emef Maria Dulce

Comentários